A Esclerose Múltipla e a Medicina Tradicional Chinesa

09/06/2021 por admin1
esclerose-multipla.jpg

Sabia que a esclerose múltipla afeta mais mulheres do que homens e que surge entre os 20 e os 40 anos?

A esclerose múltipla é uma doença autoimune que afeta o cérebro e a medula espinhal (sistema nervoso central). Isso acontece porque o sistema imunológico do corpo confunde as células saudáveis com “intrusas”, e acaba por atacá-las provocando lesões no cérebro. Desta forma o sistema imune do paciente corrói a bainha protetora que cobre os nervos (mielina).

Os danos à mielina causam interferência na comunicação entre o cérebro, medula espinhal e outras áreas do corpo. Esta condição pode resultar na deterioração dos próprios nervos, através de um processo irreversível.

Ao longo do tempo, a degeneração da mielina provocada pela doença vai causando lesões no cérebro, que podem levar à atrofia ou perda de massa cerebral. Geralmente, pacientes com esclerose múltipla apresentam perda de volume cerebral cinco vezes superiores ao normal.

A esclerose múltipla atinge cerca de 2,5 milhões de pessoas no mundo. É uma doença sem cura, mas os tratamentos podem ajudar a controlar os sintomas e reduzir o progresso da doença.

A esclerose múltipla pode evoluir em 4 fases distintas, sendo elas:

  • Forma recidivante-remitente – Ocorrem ataques que duram entre poucos dias a semanas, seguidos de uma recuperação;
  • Forma secundariamente progressiva – Os défices se vão acumulando após cada ataque;
  • Forma primariamente progressiva – Evolui desde o início sem separação entre ataques e períodos sem ataques;
  • Forma remitente-progressiva – onde a doença progride de modo evidente desde o início mas onde podem ocorrer períodos livres de sintomas.

Embora não sejam ainda conhecidas as causas associadas à esclerose múltipla, existem diversos sintomas conhecidos. Salientamos os seguintes:

  • Cansaço;
  • Perda cognitiva;
  • Alterações de humor;
  • Espasmos musculares;
  • Dor;
  • Incontinência;
  • Visão dupla;
  • Perda de força;
  • Falta de equilíbrio;

Existem também alguns fatores de risco que devem ser tidos em consideração, no desenvolvimento desta patologia:

  • Idade: A esclerose múltipla pode ocorrer em qualquer idade, mas mais é mais comum afetar as pessoas entre os 20 e os 40 anos. Nessa faixa etária são feitos 70% dos diagnósticos;
  • Género: As mulheres são mais propícias que os homens a desenvolver a esclerose múltipla
  • Etnia: Os caucasianos, em especial aqueles cujas famílias se originam do norte da Europa, estão em maior risco de desenvolver esclerose múltipla. As pessoas de ascendência asiática, africana ou americana tem menor risco
  • Outras doenças autoimunes: Pode ser mais propenso a desenvolver esclerose múltipla se tiver outra doença que afeta o sistema imunitário (distúrbios da tiroide, diabetes tipo 1 ou doença inflamatória intestinal).

A esclerose múltipla e a Medicina Tradicional Chinesa

Desde de muito cedo que a Medicina Chinesa refere a existência de doenças do tipo auto-imune, explicando o mecanismo destas doenças como uma desregulação do que na Medicina Chinesa se designa por energia Wei e que grosso modo pode ser entendido comparativamente com o conceito de sistema imunitário na Medicina Ocidental.

Esta desregulação afectará por isso e progressivamente todo os órgãos e sistemas, e estão muitas vezes associados a situações que por uma ou outra razão tiveram um impacto emocional negativo.

Os sintomas e a progressão do declínio das funções variam de forma distinta de paciente para paciente, não só devido a níveis de estruturação cerebral anteriores à manifestação da patologia, mas também devido a diferentes características da personalidade dos doentes com Esclerose Múltipla.

Antes de ser atribuído algum tipo de tratamento, é necessário realizar o diagnóstico que vai permitir aos especialista em medicina chinesa verificar quais as causas da doença, assim como a fase em que a mesma se encontra.

Embora desconhecendo as causas da doença sabemos que se trata de uma doença autoimune, e embora sendo difícil de tratar a Medicina chinesa pode retardar os sintomas e proporcionar ao paciente uma vida normal, sem dores.

As técnicas que podem ser utilizadas são acupuntura, massagens tui na e fitoterapia, podendo as mesmas serem aplicadas em separado ou em simultâneo.

Se sofre de esclerose múltipla ou se conhece alguém que sofre desta patologia, não espere mais. A Medicina Chinesa poderá ajudar no tratamento dos sintomas da mesma. Solicite-nos um contacto para o nº 243997479 ou por email: [email protected]


Um Comentário

  • Sarah Oliveira Rocha

    03/06/2022 em 15:22

    Bom dia,
    Me chamo Sarah e tenho EM-RR desde 2015, tenho atualmente 29 anos.

    Apesar do surgimento de lesões em exame de RNM já ter acontecido eu só tenho documentado 2 surtos em que não realizei tratamento corticoterapico. Estou tentando estudar mais sobre as causas holisticas do surgimento da doença.
    Há algum site que vocês indicam com essas informações, ou algum livro/texto ?

    Desde já agradeço.

    Abraços

Os Comentários estão encerrados.


logoTDR_branco

A Tian Di Ren, tem como missão:
- Proporcionar a melhoria da Qualidade de Vida numa perspectiva de complementaridade e integração a partir de uma concepção holística do ser humano, e na assunção que cada ser humano é uno e único, influencia e é influenciado por tudo o que o rodeia.

Newsletter